Quando dizer “Deus te ama” não serve de nada

18 de maio de 2021

Você já viu algum amigo seu ter atitudes negativas, ou postando aqueles vídeos e frases do tipo Sadboy/Sadgirl, dizendo que a vida é só solidão e tristeza? Se você se importa com esse amigo, qual é a primeira coisa que você pensa em dizer? “Deus te ama!”

No entanto, só falar isso não serve… é muito pouco! Deus, a quem ninguém pode nem ver! Se Ele ama ou não, você falar isso não vai mudar nada. O que fazer, então? O que pode ajudar?

Precisamos ter certeza de que sim, Deus nos ama e quer nos ajudar. Deus também mandou Jesus, o único Filho dele, para morrer em nosso lugar e nos dar esperança de, um dia, parar de sofrer nesse mundo e morar com Ele no paraíso.

Mas também devemos saber que o amor de Deus vai muito além. 1 João 4.11-12 diz o seguinte:

“Amigos, se foi assim que Deus nos amou, então nós devemos nos amar uns aos outros. Nunca ninguém viu Deus. Se nos amamos uns aos outros, Deus vive unido conosco, e o seu amor enche completamente o nosso coração.”

Ou seja: se você quer dar certeza ao seu amigo de que Deus o ama, você precisa demonstrar que ama a Deus, amando seu amigo. Mas por que isso é tão importante? Dificilmente seu amigo vai ver a Deus. No entanto, se você o amar como Deus amou você, seu amigo vai sentir Deus na sua vida, e vai entender o amor de Deus através da sua vida. Então nós, como cristãos, precisamos ser exemplos em dois aspectos. O primeiro é esse amor que mostra Deus na nossa vida, do qual 1 João 4 nos fala.

O segundo aspecto é aceitar as dificuldades, sejam quais forem, quando elas nos atingirem, e buscar em Cristo o consolo para suportá-las. Se não fizermos isso, seremos hipócritas ao dizer que “Jesus pode ajudar” quem está em dificuldades, enquanto nós mesmos não buscamos essa ajuda.

2 Coríntios 1.4 fala exatamente sobre isso:

“[Deus] nos auxilia em todas as nossas aflições para podermos ajudar os que têm as mesmas aflições que nós temos. E nós damos aos outros a mesma ajuda que recebemos de Deus.”

Ou seja: passamos dificuldades e Deus nos cuida, consola e ajuda, para que essa ajuda que recebemos transborde para quem está perto de nós.

Então, quando passarmos por alguma dificuldade, “precisamos correr para [Deus], não fugir dele. Precisamos parar de espernear e de jogar nele a culpa por estarmos feridos” (SCHAEFFER, 2019, p. 233). Do mesmo jeito que Jesus, o Filho de Deus, passou por provações aqui na terra, nós, que somos filhos dele, também passaremos dificuldades. Podemos até achar que “se Deus fosse bom Ele nos livraria disso”, mas a Bíblia deixa claro que Deus continua nos amando e sendo bom, mesmo quando permite que soframos.

Enfim, são justamente esses sofrimentos bem doloridos que vão até o fundo da nossa alma e testam nossa confiança e fé em Deus. Todos nós, como cristãos, somos chamados e temos capacidade de passar por eles, e ajudar a quem está perto de nós. Um autor escreveu que “se você confia em Jesus, e não em si mesmo, e se sente fraco e desqualificado, então você já está qualificado. Então você foi chamado [para ajudar aos outros]” (WELCH, 2019, p. 10).

Diante disso tudo, precisamos lembrar que não estamos sozinhos. Nosso Deus é um Deus pessoal, o que quer dizer que Ele se aproxima de nós. Por ser pessoal, ele também fala conosco e nos convida a responder. E, melhor ainda, quando respondemos, Ele ouve! Por isso, precisamos falar com Deus com franqueza, e derramar diante dele os medos, dúvida, raiva, incerteza e angústia.

Sabendo que Deus é assim, maravilhosamente perto de nós e querendo nos ouvir, qual cristão não vai querer falar com Ele? A tudo o que fizermos, precisamos acrescentar a oração!

Disponha-se a ligar para aquele seu amigo, e a orar com ele por 5 minutos todo dia; ore por ele, quando você estiver sozinho; peça para que seus amigos cristãos ajudem você a orar por essa situação. Apenas não confie em si mesmo, mas confie no Senhor!

Deus nos chama para compartilhá-lo com o mundo. Nós devemos compartilhar o amor de Deus amando quem está perto de nós. Isso faz com que as pessoas vejam e sintam Deus em nós. Também devemos enfrentar, com a ajuda Cristo, as dificuldades da vida, para então compartilhar essa ajuda com aqueles que sofrem perto de nós. Por fim, podemos ter contato com Deus em oração, e compartilhar esse contato incrível com quem pudermos. Só não podemos é deixar de compartilhar.

Bernardo Stollmeier Kuss

Referências:

SCHAEFFER, Edith. Aflição: um olhar compassivo sobre a realidade da dor e do sofrimento. Traduzido por Elizabeth C. Gomes. Brasília: Monergismo, 2019. 344 p.

WELCH, Edward T. Aconselhando uns aos outros: 8 maneiras de cultivar relacionamentos saudáveis dentro da igreja. Traduzido por Vinícius Pimentel. São José dos Campos: Fiel, 2019. 75 p.

Avatar

SOBRE O AUTOR

Jumap

POSTE UM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *