série especial

“Eu vim para que tenham vida e vida em abundância”.
– João 10.10

No mês do Setembro Amarelo, queremos conversar sobre a Valorização da Vida como presente de grande valor de Deus pra nós. É ele que deve ter o controle sobre nossas vidas. Deus é o autor e o sentido da vida.

Mensagem 1: O SENTIDO DA VIDA: por que estou aqui?
Qual sentido da vida? Porque fomos criados? O que o criador espera da Criação? Fomos Criados para o louvor da glória de Deus.

Mensagem 2: VIVENDO O PARAÍSO AQUI
A vida aqui na terra é uma dádiva de Deus e precisamos vivê-la de maneira plena, crendo na expectativa de uma vida melhor, a eternidade.

DEVOCIONAL DIÁRIO

13/09 - Escolha a vida

“…escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando o Senhor, teu Deus…” (Dt 30.19-20)

Qual é a vontade de Deus para minha vida? Essa pergunta me assombrou enquanto eu crescia. E se eu não conseguisse descobri-la? E se não a reconhecesse? A vontade de Deus parecia uma agulha num palheiro. Escondida. Confundida entre as demais escolhas. Vencidas pelas escolhas falsas.

Mas minha visão da vontade de Deus estava errada porque minha visão de Deus também era incorreta. Deus não tem prazer em nos ver perdidos, perambulando, procurando. Ele quer que conheçamos a Sua vontade. Ele a expõe de modo claro e simples; não há sequer a opção de múltipla escolha. Ele a apresenta em duas escolhas: “vida e bem” ou “morte e mal” (Dt 30.15). Caso a melhor escolha não seja óbvia, Ele ainda nos diz qual escolher: “…escolhe, pois, a vida…” (v.19). Escolher a vida é escolher o próprio Deus e obedecer à Sua Palavra.

Quando Moisés dirigiu-se aos israelitas pela última vez, ele lhes pediu que fizessem a escolha certa ao guardar “…todas as palavras que, hoje, testifico [Deus] entre vós […]. Porque esta palavra […] é a vossa vida…” (32.6-47). A vontade de Deus para nós é vida. Sua Palavra é vida. E Jesus é a Palavra. Deus pode não nos fornecer uma receita para cada decisão, mas Ele nos deu um exemplo perfeito para seguirmos — Jesus.

#seliga: A escolha certa pode não ser fácil, mas quando a Palavra for o nosso guia e a adoração o nosso objetivo, Deus nos concederá a sabedoria para fazermos escolhas seguras para a vida.

Extraído e adaptado Pão Diário

14/09 - Frustração

“Sustenta-me, segundo a tua promessa, e eu viverei; não permitas que se frustrem as minhas esperanças”. (Sl 119.116).

Imagino que todos nós já experimentamos a frustração e como é doloroso senti-la. Lembro-me de uma vez em que estava desempregado e fui fazer uma entrevista e exames numa empresa logo pela manhã. Terminei os testes no meio da tarde e fui conversar com o chefe. Este me garantiu que uma das vagas seria minha.

Cheguei em casa contente e confiante de que eu começaria a trabalhar no mês seguinte. No entanto, depois de uma semana uma moça da firma me ligou dizendo que eles não contratariam ninguém, que sentia muito e minha ficha ficaria com eles para ser chamado quando houvesse uma vaga. Imagine meu desespero pensando nas contas para pagar! Chorei e solucei de tristeza.

Numa situação assim, ficamos aborrecidos por alguns dias. É uma interrupção na nossa esperança, pois nosso sonho não foi realizado, e nossos objetivos não foram concretizados. Sofri muito com esse sentimento que me levou à depressão e ao desespero. Esta foi apenas uma de minhas frustrações. Enquanto estivermos vivos, a tendência é de sofrer ainda com algumas delas.

No texto de hoje, vemos Davi, que foi um rei poderoso e grande guerreiro, diante de algo que poderia gerar muita frustração: seu desejo não seria realizado por ele, mas por um de seus filhos. Como ele reagiu? Se você prosseguir a leitura, verá que ele louvou a Deus!

Se, ou quando, ficarmos frustrados o melhor é pensar que isso é como um vento que simplesmente passa ou um gelo que derrete. Este sentimento pode ser apenas uma “tempestade” ou então devastar nossa vida se não soubermos lidar com ele. É duro ter que aceitar, mas às vezes Deus tem outros planos para nós – muito melhores que os nossos. Ele sim é maior que tudo e certamente nos fortalecerá. Aquele que não pode ser frustrado nos ensina a suportar qualquer situação!

#seliga: Não sabemos quantas frustrações teremos, mas sempre podemos confiar nos planos de Deus!

Extraído e adaptado Presente Diário

15/09 - Livre-­se da ansiedade

“Mas Esaú correu ao encontro de Jacó e abraçou-se ao seu pescoço, e o beijou. E eles choraram”. (Gn 33.4).

As preocupações, tensões e conflitos do dia a dia deixam muitas pessoas ansiosas e infelizes. W. H. Auden, um dos maiores escritores ingleses do séc. 20, chama a nossa época de “era da ansiedade”. Todos os dias sofremos com as notícias alarmantes e sensacionalistas que os meios de comunicação trazem – muitas vezes reais, outras nem tanto. Até nos dão a impressão de que a situação está perdida, que a sociedade e suas instituições estão perdendo ou já perderam o controle. Muitos vivem deprimidos, assustados, numa expectativa constante de que algo acontecerá para trazer caos completo ou destruição de todos os fundamentos que dão um mínimo de sustentação à nossa existência.

Enquanto na depressão a pessoa está prisioneira do seu passado, na ansiedade ela está presa ao futuro. No trecho anterior à leitura indicada para hoje, Jacó reconhece que está morrendo de medo de um possível ataque de Esaú e seus homens. Ele tinha boas razões para isso. No entanto, a continuação do relato mostra que ele sofreu por antecipação por algo que acabou não se concretizando. Na verdade Esaú se alegrou em ver seu irmão depois de vinte anos.

A ansiedade rouba nossa alegria e nossa paz, além de dificultar nossa comunhão com Deus e com as pessoas! Por isso, nada de ansiedade com os possíveis problemas do amanhã. Por conhecer tão bem essa tendência humana, Jesus deixou uma recomendação: “Não se preocupem com o amanhã… basta a cada dia o seu próprio mal” (Mt 6.34). Pense nisso: enquanto você estiver nas mãos desse Deus maravilhoso, cuidadoso, amoroso, protetor e soberano, tudo dará certo, tudo acabará bem. Independentemente das circunstâncias ou resultados visíveis, você sabe que ele ama você e está trabalhando para o seu bem.

#seliga: Quando a ansiedade vier, lembre-se: entregá-la a Deus em oração é o que vai lhe trazer paz.

Extraído e adaptado Presente Diário

16/09 - Alegria para a alma

“Quando a ansiedade já me dominava no íntimo, o teu consolo trouxe alívio à minha alma”. (Sl 94.19).

O salmista descreve uma grande dificuldade pela qual passou: estava aflito, preocupado, dominado pela ansiedade. Ele disse: “Muitos cuidados dentro de mim se multiplicam” (v.19a, ara). Mas, quando tudo estava perdido, ele sentiu o amor de Deus. Afirma que, se não fosse o livramento do Senhor em sua vida, não teria resistido: “Ó Senhor Deus, quando senti que poderia morrer, o teu amor me amparou” (v.18, ntlh).

Que linda palavra traz o versículo em destaque! Esta afirmação do salmista representa uma verdade que todos nós podemos experimentar. De forma errada, apoiamo-nos em muitas coisas que aparentemente nos trazem paz e segurança. Mas, na verdade, só Deus pode trazer conforto, alegria e principalmente alívio à nossa alma. Por isso, a certeza do salmista em dizer: “O Senhor é a minha torre segura; o meu Deus é a rocha em que encontro refúgio” (v.22). Deus é o nosso abrigo e fortaleza, nosso defensor.

Devemos nos aproximar mais de Deus. Aquele que tem sede deve ir até as águas (Is 55.1a), inclinar os ouvidos e buscar ao Senhor para ter vida. Também em Is 57.18b-19 (ntlh) Deus diz a seu povo: “Eu os curarei e os guiarei; eu os consolarei. Nos lábios dos que choram, colocarei palavras de louvor. A todos ofereço a paz, paz aos que estão perto e aos que estão longe; eu os curarei”.

É muito bom saber que Deus dá consolo ao contrito e perdão ao arrependido, livrando sua alma da morte espiritual e eterna. Que vivamos firmes em suas promessas, deixando sempre a Palavra de Deus renovar a nossa esperança, fortalecer nossa fé e fazer brilhar nossos olhos, dando-nos a coragem de enxergar o novo e vivo caminho que ele tem para nós! Que nunca deixemos de ver seu grande e poderoso amor, capaz de nos dar a paz real!

#seliga: Em tempos difíceis, o amor do Senhor fica bem nítido e alegra nossa alma.

Extraído e adaptado Presente Diário

17/09 - Contentamento na quarentena

“Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece.” (Filipenses 4.13)

Será que é possível encontrarmos contentamento na quarentena? Para muitos está muito difícil devido a todas as circunstâncias que este tempo tem trazido. Como então encontrarmos contentamento?

Quando Paulo escreve: “Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação,” isso fala de uma aceitação de sua situação atual na vida. Estar descontente significaria que Paulo queria estar em algum outro lugar além de onde a mão soberana de Deus o colocou, e ter mais do que a mão soberana de Deus escolheu para dar a ele.

Logo, estar contente é ter uma submissão pacífica de onde Deus providencialmente o colocou, e os recursos que Ele lhe disponibilizou. Estar satisfeito com a situação, significa que Paulo estava em paz na suficiência de Cristo, na providência de Cristo em sua vida.

Você é uma pessoa contente com a situação em que você se encontra? Não estou dizendo que não possa mudar, pois Paulo vai dizer, toda e qualquer circunstância, no muito, ou no pouco.

Alguns versículos antes Paulo diz:

“Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus.” (Filipenses 4.6)

Você percebe que o descontentamento também está ligado a ansiedade? Pois a pessoa descontente não é satisfeita onde está, com os recursos que têm, e querem mudanças.

Talvez você deseja que sua situação mude, então, coloque suas inquietações, seus pedidos diante de Deus, mas ao mesmo tempo, seja grato a Ele por tudo o que Ele tem feito por você, isso inclui onde estamos e os recursos que Deus nos dá.

#seliga: Enquanto Cristo não for a nossa alegria, e não entendermos que ele é suficiente para nós, e a nossa força na posição em que nos encontramos hoje, só nos resta tristeza e descontentamento

Extraído e adaptado Voltemos ao Evangelho

18/09 - Dias bons, dias maus

“No dia da prosperidade, goza do bem; mas, no dia da adversidade, considera em que Deus fez tanto este como aquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele.” (Ec 7.14)

Confiar na bondade soberana de Deus nos ajuda a saber como responder a todas as alegrias e provações da vida. Quer estejamos tendo um dia bom ou um dia ruim, sempre há um meio de glorificar a Deus.

Alguns dias são cheios de prosperidade: o sol está brilhando, os pássaros cantando, há comida na mesa e dinheiro no banco. Se há trabalho a fazer, é o tipo de trabalho que você gosta de fazer. Se está tirando o dia de folga, você pode gastá-lo da maneira que deseja, com as pessoas que você ama. Todo dia assim é um presente de Deus que nos chama para nos alegrarmos.

Mas nem todo dia é assim. Alguns dias o sol não está brilhando, os pássaros não estão cantando e nada parece estar certo com o mundo. Pode haver comida na mesa, mas não há dinheiro no banco. O trabalho é uma chatice, as férias são entediantes, e você pode sentir que não tem um amigo no mundo. No entanto, este dia também é um dia que vem da mão de Deus, um dia que está sob seu controle soberano. O Pregador não tem o ânimo para nos dizer para sermos alegres em um dia tão difícil, mas ele nos chama a uma sábia consideração dos caminhos de Deus. Quando a adversidade chegar, reconheça que também este é o dia que o Senhor fez: “temos recebido o bem de Deus”, perguntou Jó no dia de sua adversidade, “e não receberíamos também o mal?” (Jó 2.10). Não, devemos reconhecer que os dias bons e maus vêm das mãos de Deus.

O versículo em destaque, nos diz que é impossível para nós saber o que acontecerá no futuro. Considerando o início do versículo, podemos supor que os justos são os que prosperam, enquanto os maus sempre sofrem adversidades. No entanto, às vezes ocorre exatamente o oposto: os justos sofrem adversidades, enquanto os ímpios prosperam. Assim, é impossível para nós prever o que acontecerá nos próximos dias. Não temos como saber se os próximos dias nos trarão mais prosperidade ou mais adversidade.

Viver com esse tipo de incerteza não precisa nos causar ansiedade ou desespero; antes, deve nos ensinar a deixar nosso futuro nas mãos de Deus. A maioria de nós prefere controlar o próprio destino. Em vez disso, devemos confiar nossas vidas ao cuidado amoroso de nosso Deus soberano. Se fizermos isso, estaremos bem preparados tanto para os dias bons como para os maus.

#seliga: “Aprecie as coisas presentes de tal maneira que você não baseie sua confiança nelas, como se elas durassem para sempre… mas reserve parte do coração para Deus, para que seu coração possa suportar o dia da adversidade.” (Martinho Lutero)

Extraído e adaptado Voltemos ao Evangelho

19/09 - O que marca a diferença

“Respondeu Davi a Saul: Teu servo apascentava as ovelhas de seu pai; quando veio um leão ou um urso e tomou um cordeiro do rebanho, eu saí após ele, e o feri, e livrei o cordeiro da sua boca; levantando-se ele contra mim, agarrei-o pela barba, e o feri, e o matei.” (1 Sm 17.34,35)

Não há dúvida de que Davi mostrou ter coragem ante o desafio que o gigante de Gate representava. Todo um exército, intimidado, havia passado a humilhação de dia após dia, ouvir o desafio do filisteu, com muitos insultos aos israelitas e ao seu Deus. Somente o jovem pastor havia se animado a responder.

Sem perder de vista essa tremenda demonstração de coragem, consideremos, por um instante, a explicação que Davi deu ao rei Saul. Não era a primeira vez que enfrentava uma situação adversa. Muitas vezes, enquanto pastoreava as ovelhas de seu pai, teve de defendê-las do ataque de um urso ou de um leão. Fazer frente à situação de extremo perigo não era novidade para ele.

Encontramos um importante princípio de vida cristã nesse acontecimento. Davi sairia, agora, a lutar enquanto um exército inteiro ficaria olhando atento a façanha do jovem pastor. Este seria o seu primeiro combate em público. A preparação para esse momento havia acontecido em completo isolamento, somente na presença de suas ovelhas. Davi decidiu fazer agora o que muitas vezes fizera em seus momentos de solitude.

O cristão que deseja ser eficaz em público deve praticar suas qualidades enquanto estiver sozinho. O que somos em público só impactará a vida dos que nos observam quando estiver respaldado numa vida secreta de devoção e compromisso, longe do olhar das multidões.

Viver uma intensa experiência com Deus, nos lugares mais secretos da vida, marcará outras pessoas, mesmo se outros jamais virem essas vivências íntimas.

Mas isso só acontece por intermédio de pessoas que vivem em permanente comunhão com Deus, e, não, por aqueles que praticam a santidade apenas diante dos olhos do público.

#seliga: De que maneira é o seu dia a dia quando está a sós? Você faz o mesmo que faria se estivesse sendo observado? A verdadeira pessoa não é aquela vista pelos outros, mas a que existe na em sua intimidade. Que passos você pode dar para fechar a brecha entre o que você é em público e em sua vida particular?

Extraído e adaptado Pão Diário

20/09 - Depois será melhor

“Eu te afligi, mas não te afligirei mais”. (Na 1.12)

Existe um limite para a aflição. Deus a envia e a remove. Você suspira e diz: “Quando ela acabará?” Lembre que suas tristezas certamente acabarão ao findar essa pobre vida terrena. Esperemos tranquilos e suportemos com paciência a vontade do Senhor, até que Ele volte.

Enquanto isso, nosso Pai Celeste remove sua vara, quando seu propósito em a utilizar já se cumpriu totalmente. Quando Ele tiver corrigido nossa tolice, não haverá mais varadas. Ou, se a aflição é enviada para nos provar, a fim de que nossas virtudes glorifiquem a Deus, ela acabará, quando o Senhor nos fizer testemunhar para o seu louvor. Não devemos querer que a aflição seja removida, até que Deus tenha extraído de nós toda a honra que provavelmente poderemos tributar-Lhe.

Hoje precisa haver uma “grande bonança” (Mt 8.26). Quem sabe quão rapidamente as ondas furiosas cederão o lugar a um mar tranquilo, e aves marinhas flutuarão sobre ondas gentis? Após um dia de trabalho intenso, os malhos são pendurados, e o trigo, guardado no celeiro. Antes que muitas horas se passem, podemos nos sentir tão felizes quanto agora somos entristecidos. Não é difícil para o Senhor transformar a noite em dia. Aquele que envia as nuvens pode com a mesma facilidade tomar claros os céus. Tenhamos bom ânimo! Será melhor do que antes. Cantemos aleluias antecipadamente.

#seliga: Deus tem preparado para nós um lugar maravilhoso, cheio de alegria, paz e da Sua presença. Esse lugar é de longe, da vida o melhor!

Extraído e adaptado Voltemos ao Evangelho

 

21/09 - “Como respirar se estamos de máscaras?”

“Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente.” (Gn 2.7)

A dica é clara: inspirar e expirar.

Inspire e expire – quantas vezes for preciso.

Mas como respirar se algo nos impede?

Antes que você pense, não. Não. Este não é um texto ou manifesto contra as orientações de saúde. E caso você esteja lendo estas linhas em um local público, espero que você esteja tomando todas as precauções.

O título provocativo tem o intuito de, apenas, causar reflexão. Não é sobre máscaras em si, mas sim sobre o que elas evidenciam.

Ninguém nunca viveu uma situação como a atual. Somos bombardeados de todos os lados por uma crise mundial sem precedentes. Todos nós buscamos respostas para perguntas que nos intrigam. A angústia é tão grande! Como continuar vivendo?

Há uns meses, poucos de nós prestávamos atenção em algo que é tão importante para nossa sobrevivência: a respiração. Inspirar. Expirar. Um mecanismo do nosso organismo que passava despercebido diante de nossas rotinas lotadas de compromissos e prazos para cumprir. O respirar de maneira consciente parecia simplório demais, não havia tempo nas agendas. Havia?

E agora tudo está revirado. Temos tempo de sobra.

Mas você já inspirou e expirou hoje? Sentiu seu corpo se expandir para captar o ar? Percebeu a eliminação automática do que seu organismo não precisa?

Esta pandemia nos colocou de cabeça para baixo e, de maneira rude, nos mostrou o que é de fato importante. Ainda estamos aprendendo a retomar a vida. São inúmeros sentimentos à flor da pele; crises que não são postadas. O medo, a angústia, a aflição, a tristeza, a desesperança. Some tudo isso à incerteza de como serão os próximos dias. Com esse quadro atual, não me espanta saber que muitos de nós têm enfrentado dificuldades. A saúde mental nunca teve tanto espaço no palco!

Em uma das minhas séries favoritas, This Is Us, há uma frase que me impactou muito nesses dias:

“Temos tanto medo de morrer que esquecemos de fazer o que nos mantém vivos. Respirar”.

#seliga: Como respirar se estamos de máscaras? Ou melhor dizendo…como viver se estamos de máscaras? Gostaria de ter uma resposta muito bem elaborada ou com um enorme embasamento teórico. No entanto, a verdade é que estamos descobrindo juntos o que fazer e como viver a cada dia. Uma coisa se sabe: aprender a importância de respirar de maneira consciente, se perceber no aqui e no agora, falar sobre o que está sentindo e estar atento a quem estiver perto de você, já é um bom começo. Estamos juntos nessa.

Extraído e adaptado JBB

22/09 - Qual o meu papel?

“Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito.” (Cl 3.14)

Esses dias, eu e mais dois amigos resolvemos fazer um almoço na minha casa. Os dois têm experiência na cozinha, enquanto eu, se consigo fazer um macarrão já me sinto bastante vitoriosa. Depois de fazer algumas besteiras, entendi que deveria me contentar em lavar a louça, e não cozinhar. Essa é uma história muito boba, mas me ajuda a exemplificar algo que considero bem importante. Nós, como seres humanos, exercemos diferentes papéis em diferentes histórias. Assim como atores emprestam seus corpos para diferentes personagens ao longo da vida, nós também mudamos de função muitas vezes na nossa caminhada pessoal. Às vezes somos alunos, professores, filhos ou pais, marido, esposa e por aí vai.

Garanto que, naquele almoço, depois que entendi minha função e resolvi exerce-la da melhor maneira ao invés de buscar um papel que não era meu, as coisas fluíram e nosso objetivo foi alcançado. Acredito que um dos grandes segredos para viver bem é exatamente esse: aprender a reconhecer qual ou quais papéis devemos exercer em cada circunstância.

Em situações sérias, as proporções são diferentes, é claro, mas a dinâmica é a mesma. Quando me deparo com alguém que precisa de ajuda, por exemplo, preciso entender que minha função é não apenas ajudar, mas entender que tipo de auxílio eu posso oferecer. Eu sei que posso ouvir um desabafo e até arriscar um conselho para um amigo, mas sei também que existem apoios que somente profissionais podem dar. Ao mesmo tempo, sei que conversar, apontar erros e buscar soluções é importante, mas também sei que é preciso ouvir sem julgar.

Independente da história ou do papel, existe algo que vai além de qualquer função. O amor. Na verdade, é ele que nos faz enxergar o que devemos fazer. Somente com amor conseguimos tomar decisões, ajudar e sermos ajudados. Esse amor em nós precisa ser constante, precisa durar a vida toda e não só um mês. Afinal, não é assim que Deus faz conosco? Ele nos escolhe todos os dias e decide persistir em nós, sempre.

Pensando na importância de amar e ajudar quem está do meu lado, olho para mim mesma. Quando me dou conta dos meus próprios erros e dificuldades é quando mais me impressiono com o amor de Deus, assim aprendo.

#seliga: Devemos amar constantemente, apesar dos outros e apesar de nós. Esse é, de maneira permanente, o nosso papel.

Extraído e adaptado JBB

23/09 - Amor à beira do caminho

“Quando ouviu que era Jesus de Nazaré, começou a gritar: “Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! Muitos o repreendiam para que ficasse quieto, mas ele gritava ainda mais: “Filho de Davi, tem misericórdia de mim!” (Mc 10.46-52)

Gritos de desespero. Consegue ouvir?

Entre as buzinas incessantes do trânsito. No meio dos inúmeros cliques em celulares. Apesar do som alto das músicas entoadas nas igrejas. Ressoando com os sinos que anunciam os intervalos das aulas. Gritos de desespero estão em todo lugar.

Por que será que deixamos de prestar atenção? Será que nos acostumamos com o barulho dos gritos? Ou será que preferimos ignorar porque parar e ouvir nos tiraria do conforto em que estamos?

Diga-se de passagem, esse não é um dilema apenas do século 21. Na Bíblia há a história de um rapaz cego, seu nome era Bartimeu e esse relato está contido em três livros (Mt 20.29-34; Mc 10.46-52; Lc 18.35-43). A história dele foi registrada três vezes – isso significa que há algo de extrema importância e que precisamos prestar atenção no que aconteceu naquele momento.

Os três discípulos de Jesus registraram o dia que havia um homem sentado à beira do caminho da cidade de Jericó e Jesus passou por ali seguido por uma multidão. Quando soube que o Salvador estava por perto, Bartimeu gritou por ajuda. Ele desejava, com todo o seu coração, ser curado. E por isso, clamou mais alto. Gritou com mais força.

A multidão, no entanto, estava ocupada demais atrás de Jesus. Eles estavam seguindo o Mestre e fizeram o extremo oposto do que Ele já havia ensinado. Tentaram silenciar o cego porque seus gritos incomodavam.

Se você já conhece a respeito de Jesus, sabe que nada do que Ele faz é obra do acaso. Jesus é soberano, Ele tem o controle de tudo. Sendo quem Ele é, Ele passou por aquele caminho de maneira intencional. Ele permitiu que a multidão repreendesse Bartimeu porque tinha algo para ensinar a eles, e a nós.

Depois da multidão ordenar ao cego que ficasse calado, Jesus parou o que estava fazendo. Ele mandou que trouxessem Bartimeu para perto. Jesus parou porque queria que a multidão entendesse que de nada adianta estar atrás Dele se não for para olhar quem está do lado.

Jesus viu aquele homem que gritava desesperado e poderia tê-lo curado no instante em que pôs os Seus olhos sobre ele. Mas Jesus queria que a multidão aprendesse a amar.

Nossas atitudes para com os outros mudam quando entendemos quem Deus é. E Deus é amor. Ele é o Deus que se relaciona. O Deus que deu Sua vida por nós. E você tem atendidos aos gritos de socorro à sua volta?

Não é apenas sobre estar atrás de Jesus e receber Suas bênçãos. Necessitamos viver a vida de amor. Que nossa vida seja assim. Jesus veio, também, para as pessoas que vivem à beira do caminho. Que jamais nos esqueçamos que nossa missão é ir até lá e amar essas pessoas de maneira extravagante.

#seliga: Que a gente possa anunciar o amor à beira do caminho com todas as nossas forças. O amor vale a pena porque somente ele traz resposta para os gritos de desespero.

Extraído e adaptado JBB

24/09 - Vidas Reais

“Ele nos encoraja em todas as nossas aflições, para que, com o encorajamento que recebemos de Deus, possamos encorajar outros quando eles passarem por aflições”. (2 Co 1.4)

Nós não somos definidos pelo sofrimento que passamos ou pelas nossas cicatrizes. Somos pessoas reais, não transtornos e dores emocionais. Pessoas reais que carregam cicatrizes reais, mesmo invisíveis aos olhos. Talvez o sofrimento emocional seja tão grande que sufoca toda a esperança de um novo capítulo. A dureza da vida pode ter marcado muitas histórias.

Muitas vezes nos acostumados com a doença ou a dor emocional e usamos nosso sofrimento como uma cortina. Andamos machucados, corações ressentidos que sangram, mentes aprisionadas, almas amarguradas, respirações fadigadas, braços sangrentos, pescoços marcados pelas cordas da culpa, balas disparadas pela cegueira do medo. Somos vítimas que cutucam as feridas, para não permitir que sejam curadas. E em público, usamos máscaras para ocultarmos nossas emoções. Mas elas não são capazes de esconder o abandono, o sofrimento, o vazio emocional e o desespero pela cura e alívio. Com as máscaras nos sentimos mais seguros. E o que nos falta em sinceridade é compensado por uma falsa segurança.

A decisão de não ser real traz como consequências o distanciamento, relacionamentos superficiais e o impedimento de nos ajudarmos mutuamente quando for necessário. Jesus nos chama para testemunhar, contar o que nos aconteceu, a fim de que outras pessoas acreditem e sejam curadas.

#seliga: As cicatrizes de nossas histórias são um convite para compartilharmos o poder da cura de Jesus Cristo. Os sofrimentos que passamos e a cura que recebemos são nossos testemunhos. Quando contamos para as pessoas o que já enfrentamos e como a graça de Deus nos sustentou, elas são capazes de ver Jesus em nossas vidas.

Extraído e adaptado JBB

25/09 - Alegria Completa

“… que a alegria [de Jesus] esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa.” (Jo 15.11)

Na caminhada da vida queremos ter alegria, e quem vive com Deus tem muitos motivos para sorrir e agradecer. Todas as pessoas passam por tristezas, doenças e diversas lutas diárias. No entanto, os cristãos podem ter alegria completa em Jesus e por meio dele (versículo em destaque) mesmo diante das dificuldades. No texto de hoje, lemos que aqueles que seriam resgatados pelo Senhor entrariam em sua presença com cantos de alegria. O motivo seria exatamente esta redenção por meio do caminho para Deus, que hoje sabemos que é Jesus (Jo 14.6). O cristão não precisa andar de cabeça baixa, triste ou culpado por seus pecados, pois o sacrifício de Jesus na cruz possibilitou o perdão e a vida eterna!

Esta alegria completa ensinada por Jesus não reside, portanto, em bens materiais. Não pode ser comprada numa liquidação, conquistada por meio da posição social, nacionalidade ou de um alto salário. Nem mesmo toda a riqueza do mundo pode adquirir a alegria que é oferecida gratuitamente por Deus por meio da fé em Jesus. Por isso, também não há como criá-la ou encontrá-la em qualquer lugar que não no Caminho de Santidade (v. 8). Alguns estão à procura de um atalho: uma “Rua da Alegria”, mas descobrem que ela não tem saída e é ilusória!

Assim, os filhos de Deus podem se encher da alegria completa produzida por Jesus. Conforme seguem seus passos de forma sincera e intencional, têm a convicção de que ele lhes dá uma alegria que não se baseia em questões passageiras e terrenas, pois é espiritual. Ela flui do interior daquele que já entregou sua vida a Jesus, baseada no perdão de seus pecados e na restauração de seu relacionamento com Deus. Isto resulta em obediência, intimidade com ele e ainda mais alegria!

#seliga: Quem vive com Deus sabe que ele é “a fonte da [sua] plena alegria” (Sl 43.4b)

Extraído e adaptado Presente Diário

26/09 - Chame o técnico

“Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo”. (Jo 14.27)

Uma ilustração conhecida conta que o trator de um fazendeiro enguiçou, e ele chamou um mecânico. Este, depois de fazer uma verificação completa, pegou um martelo e deu uma pancada certeira em um ponto do motor, que voltou a funcionar como se nunca tivesse dado problema. Quando, porém, viu a conta, o fazendeiro zangou-se: “Como o senhor cobra um valor desse por apenas uma única martelada?” “Amigo”, respondeu o homem, “a martelada em si custa pouco. O valor maior é por saber exatamente onde aplicá-la”. Histórias como essa, costumam ilustrar a importância de ter profissionais adequados para cada tarefa. Seu trabalho precisa ser valorizado, pois é, na maioria das vezes, fruto de muito estudo e dedicação.

Mas quero destacar outro aspecto: o fato de a solução ter sido uma única martelada. Diariamente enfrentamos muitos problemas, e ficamos tentando resolvê-los por nós mesmos. Por não conseguir, muitos vivem tristes, abatidos, frustrados. Uma dessas dificuldades é o vazio natural do coração humano, e este pode ser resolvido “com uma única martelada”. Da mesma forma como certas doenças podem ser curadas com um único remédio, e às vezes basta trocar apenas uma peça para o carro funcionar de novo, só há uma solução para a falta de sentido na vida: Jesus. Ele é o único caminho, a verdade e a vida. Portanto, chame quem pode resolver: fale com Jesus, onde e como estiver, com suas próprias palavras, peça-lhe um tratamento completo. Somente ele pode lhe dar nova vida, fazê-la funcionar de verdade.

#seliga: Não vale a pena tentar resolver nossos problemas sozinhos. Precisamos de Deus. Podemos nos achegar a ele, pois seus serviços já estão pagos! Jesus, com grande amor, deu sua vida para isso, e a nós basta crer para ter acesso à sua graça e salvação. Jesus é capaz de consertar qualquer vida enguiçada. Já pediu ajuda a Ele?

Extraído de Presente Diário

GRANDE ENCONTRO

GRANDE
ENCONTRO

Semana 01 - O SENTIDO DA VIDA: por que estou aqui?

CAPTAÇÃO

Sugestão inicial: Durante a semana entreviste diversas pessoas, perguntando: Na sua opinião, qual o sentido da vida? Entreviste descrentes (vizinhos, colegas de trabalho/faculdade) e crentes. Se preferir faça essa enquete através do Google forms. Anote as respostas (não identifique as pessoas abordadas por nome).

Converse sobre as respostas e introduza o tema:

Há muitos jovens que pensam que viver não vale a pena e que a vida não faz sentido.

Pessoas assim, perderam a esperança de vida e apenas existem, não vivem. Elas desfrutam da vida comendo e bebendo porque afinal, amanhã morreremos. (1Co 15.32).

Só que a vida é mais do que isso!

O que faz você acordar de manhã apaixonadamente e sair da cama? O que te move? Por que estamos aqui?

PROPOSIÇÃO

“O modo mais fácil de descobrir o propósito de uma invenção é perguntar ao inventor.” (Rick Warren)

Resumo da mensagem: A Bíblia diz que o sentido da vida está em Deus. Ele nos criou e nos formou para O louvarmos e termos um relacionamento com Ele.

INDO + FUNDO

Muitas pessoas gastam boa parte da vida buscando algo que dê significado e sentido a elas. A busca pelo sentido da vida é algo normal e relevante. Muitos psicólogos do século 20 reconheceram isso. Freud disse: “As pessoas têm fome de amor”. Jung afirmou: “As pessoas têm fome de segurança”. Adler disse: “As pessoas têm fome de significância”.  Entretanto, em contraste com essas afirmações, Jesus disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome. Quem crê em mim nunca mais terá sede”. (Jo 6.35). Em Jesus encontramos a verdadeira satisfação, felicidade e contentamento. Ele é quem nos dá vida e vida verdadeira.

Deus nos revela o verdadeiro sentido da vida. Temos que perguntar ao Criador por que Ele nos fez. Ele nada faz sem propósito. A Bíblia é tipo um “Manual do Proprietário”, que nos explica a origem, o propósito e o sentido da vida.

  1. A origem da vida

“Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente”.  (Gn 2.7)

“Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir.” (Sl 139.13-16)

A origem da vida é Deus! Precisamos ter consciência da soberania de Deus na criação. A existência do homem não é fruto do acaso; não é resultado de uma combinação aleatória de fatores que em algum momento forneceu as condições necessárias para o surgimento e o desenvolvimento da vida. – Assim como o Prof. Utônio que acrescentou acidentalmente o elemento X e criou as Meninas Super Poderosas – A existência humana não é um acidente, é um plano de Deus. Ele é o autor da vida!

A Bíblia diz que no princípio criou Deus o céu e a terra, e no final de seus atos criativos ele criou o homem e a mulher e viu que tudo era bom. Deus não precisava ter criado nada do que existe para ser mais ou menos divino. Mas fazia parte do plano de Deus que eu e você existíssemos.

Rick Warren diz que “Deus não é apenas o ponto de partida da nossa vida: Ele é a fonte da vida.

Deus lhe trouxe a vida, escolheu você dentre milhões e milhões de possibilidades. E nos sustenta diariamente.

Por mais que às vezes você se sinta perdido, peixe fora d´água, ou deprimido com a vida, lembre-se que ninguém menos que Deus te deu vida, Ele quem te criou e formou no ventre da sua mãe. Mesmo que seus pais não o planejaram, Deus planejou! Sua vida não é um acidente. Espalhe essa verdade para aqueles que precisam ouvir.

  1. O propósito da vida

Agora que já sabemos Quem nos criou, precisamos saber para que Ele nos criou:

“Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos”. (Efésios 2.10)

“Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele”. (Cl 1.16).

“Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas. A ele seja a glória para sempre! Amém”. (Rm 11.36)

O que você está fazendo nesse mundo? Qual é o seu projeto de vida? Onde e como você estará daqui a 10 anos?  Talvez você esteja passando por crises, por tretas da vida e nem saiba porque está aqui. Talvez você nem tenha ideia de qual é o propósito de sua vida.

Tem uma frase, da Analzira Nascimento, que diz assim: “Não tô no mundo a passeio, eu tenho uma missão, um propósito”.

Tendemos a pensar que o propósito de nossas vidas está relacionado com nós mesmos: Amor (marido/esposa, filhos); Segurança (carro, casa própria) e Significância (diplomas, sucesso, status, admiração das pessoas). Essas são as 3 grandes áreas que as pessoas buscam encontrar sentido na vida, Freud, Jung e Adler criam nisso.

Mas o fato é que o propósito das nossas vidas é muito maior que realização pessoal ou felicidade. Se você se concentrar em si, jamais desvendará o propósito da vida. Você foi feito por Deus e para Deus, e, enquanto não compreender isso, a vida jamais terá sentido.

Nós temos um propósito, Deus não nos criou à toa. Até mesmo as tretas da vida que passamos, nós passamos para sermos moldados e louvarmos a Deus através dessas experiências. Deus quer que vivamos de forma intencional, realizando as boas obras que Deus preparou para nós praticarmos. Você tem dons, talentos, círculo de pessoas e frequenta a lugares específicos que eu não posso alcançar, mas você pode. 

Você tem cumprido com o propósito de Deus pra você? Você tem vivido para a glória de Deus?

  1. O sentido da vida

“Tu guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia”. (Is 26.3)

Quando entendemos a origem e o propósito da vida, a vida passa a ter sentido.

Com a entrada do pecado no mundo, que trouxe a separação entre o homem e Deus, a maior necessidade do homem passou a ser a paz com seu Criador. Quando Paulo declara em 2 Co 5.19 que: “Deus estava em Cristo reconciliando consigo mesmo o mundo” ele está nos ensinando que a reconciliação, isto é, “voltar a ter a amizade perdida”, era o propósito principal de Deus, por meio de Cristo.

A paz com Deus é o sentido da vida, porque quando a temos estamos em condições de receber as bênçãos do Senhor. Agostinho tem uma frase muito famosa, que cai muito bem nesse ponto: “Tu nos criaste para Ti, e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousar em Ti”.

Deus quer ter um relacionamento contigo. Ele quer restaurar sua vida e te dar a paz, o sentido da vida.

A única coisa que pode preencher o vazio da vida é um relacionamento com Deus. Em Deus encontramos paz, satisfação e felicidade.

Por causa do pecado a humanidade se afastou de Deus (Rm 3.23-24). O pecado deixa um grande vazio em nosso coração, porque nos tira daquele que dá sentido à nossas vidas. Tentamos preencher o vazio com outras coisas, com as idolatrias do nosso coração como: dinheiro, família e sucesso, mas essas coisas nunca nos satisfarão totalmente. Só Deus dá sentido à vida.

Enquanto a gente não tiver paz com Deus, enquanto não tivermos um relacionamento com Deus, também não teremos paz com a gente mesmo e em nenhuma outra área da vida. A angústia, ansiedade e inquietação tomarão conta do nosso coração e não permitirão que a gente compreenda o sentido da vida.

Pode ser que hoje você esteja procurando o sentido da vida, pode ser que você esteja com o coração apertado e pesado, cheio de angústia e ansiedade, ou talvez você conheça alguém assim. Mas hoje Deus quer acabar com isso e dar sentido a sua vida, Ele quer ter um relacionamento de verdade com a gente.

CONCLUSÃO

Ao entendermos a origem, o propósito e o sentido da vida, encontraremos a paz com Deus e viveremos melhor!

Algumas verdades que a gente viu nessa noite para relembrarmos e fixarmos em nosso coração:

  • Somente Deus pode nos revelar o sentido da vida.
  • Sem Deus a vida não faz sentido.
  • Deus nos criou para Sua glória.
  • Encontrar a paz com Deus é a maior necessidade da vida.
  • O sentido da vida é alcançar a vida eterna.

 “Viver para a glória de Deus é a maior realização que podemos alcançar em nossa vida”. (Rick Warren)

E EU COM ISSO?

Reflita:

  • Você tem consciência de que Deus é o autor da sua vida? Que Deus te criou, te formou e planejou você?
  • Você tem cumprido com o propósito de Deus pra você?
  • Você sabe qual tem sido o seu papel neste mundo?
  • Você está fazendo a diferença?
  • Você tem sido bênção para a sua geração?
  • Como está seu relacionamento com Deus?

Ore:

  • Coloque diante do Senhor a sua vida.
  • Lembre-se de nomes de pessoas que você conhece e que não estão aqui hoje, mas que precisam desesperadamente entender o sentido da vida.
Semana 02 - VIVENDO O PARAÍSO AQUI

CAPTAÇÃO

Uma música antiga, e bem conhecida (gravada originalmente pelo Roberto Carlos e posteriormente pela banda Titãs) afirma que “É preciso saber viver”. (Se o líder quiser pode cantar com a galera esse refrão). Esse refrão cai bem para esse mês estamos falando sobre a Valorização da Vida. É preciso saber viver com sabedoria. (Relembre com a galera sobre a mensagem passada sobre o Sentido da Vida).

PROPOSIÇÃO

“Para nós Ele é, da vida, o melhor, nosso mover e existir, paraíso aqui” Projeto Sola

Resumo da mensagem: A vida aqui na terra é uma dádiva de Deus e precisamos vivê-la de maneira plena, sem se distrair com aquilo que é transitório. Vivemos na expectativa de uma vida melhor, a eternidade.

INDO MAIS FUNDO

Texto Bíblico: Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno”. (2 Co 4.16-18).

Paulo compara nossa vida como um vaso de barro em 2 Coríntios 4.7. Sim, nossa vida é frágil como vasos de barro, estamos vulneráveis a passar por inúmeras situações que nos levam a desanimar, a nos deprimir, até mesmo perder as esperanças na vida. Somos traídos, machucados, ficamos decepcionados. O apóstolo Paulo entendia muito bem esses sentimentos, pois o contexto do nosso texto de hoje (v.8-12) nos mostra que Paulo estava particularmente desgastado física e emocionalmente. Você já se sentiu assim ou está se sentindo assim hoje?

Do ponto de vista humano a coisa é bem feia sim! Mas em meio a essas adversidades Paulo traz um termo de comparação: A eternidade. O ensinamento aqui é que quando vivemos com a perspectiva das coisas do alto, poderemos viver o melhor da vida aqui na terra e entendê-la como um presente de Deus. É por isso que Paulo, mesmo em meio ao caos, não desanimava! Paulo sabia que somos como vasos de barro, mas que o tesouro que se encontra dentro do vaso é que dá o seu valor (2 Co 4.7).

Não desanimar em meio as dificuldades para muitos é um paradoxo. Vocês sabem o que é um paradoxo? (deixar a galera responder, quem assistiu a série “Dark” já deve ter ouvido essa expressão hehe) Paradoxo são ideias opostas, da mesma forma que a antítese. Quando há uma contradição ou um contraste no mesmo discurso. Em nosso texto de hoje Paulo traz três paradoxos da vida cristã:

1) Desgastado, mas renovado (2Co 4.16)

“Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia.”

Paulo não desanimava, mesmo em meio as frustrações, pois sua confiança estava naquele que o renovava dia após dia. Por mais que as situações exteriores o colocassem para baixo e tirassem seus motivos para sorrir, ele sentia que interiormente estava sendo renovado e rejuvenescido.

Essa renovação ocorria pelo fato do tesouro de grande valor (a vida ressurreta de Jesus) que estava dentro do vaso de barro o fortalecia. Quando aprendemos a viver um dia de cada vez, certos do cuidado de Deus, sentimos alívio de boa parte das pressões da vida (Warren Wiersbe). Ter vida é ter a certeza de estar sendo renovado por Deus dia após dia.

Por mais que as situações da tua vida tenham te machucado ou desgastado, peça que Jesus, o tesouro de grande valor, seja a tua fonte de renovação (Is 40.31). A Bíblia está repleta de personagens que passaram por momentos extremos de depressão e tristeza (Jó, Elias, até Jesus), mas que experimentaram uma renovação de sua fé, passando a ter uma nova alegria na vida.

2) Presente doloroso, futuro glorioso (2Co 4.17);

“Pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles.”

Muitas pessoas vivem ou já viveram momentos dolorosos, até mesmo traumas. Cada um leva sua experiência de vida e as dores de outro não podem ser desacreditadas por alguém. Entretanto, as dificuldades do cristão, sejam quais forem, perdem importância quando vistas da perspectiva da eternidade.

Temos dois contrastes aqui. O texto bíblico afirma que qualquer sofrimento do presente é leve diante do peso da vida no paraíso. Afirma também que esses sofrimentos aqui são momentâneos enquanto a glória é eterna. Portanto, a glória eterna é muito maior que todos os sofrimentos que a pessoa poderá experimentar nessa vida.

A nossa música tema diz que “Para nós Ele é, da vida, o melhor, nosso mover e existir, paraíso aqui”. Saber viver é praticar essa verdade, onde a vida, o nosso mover, o nosso existir, tudo, se torna uma extensão do paraíso que um dia desfrutaremos com Jesus.

Quando colocamos na balança, os sofrimentos e angústias que sofremos aqui acabam se tornando leves, comparado à alegria de viver desde agora a eternidade que nos aguarda.

3) Coisas visíveis temporais, coisas invisíveis eternas (2Co 4.18).

“fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.”

Se olhamos apenas aquilo que agora podemos ver, nosso ânimo se esvai; mas, quando vemos nossa vida à luz da realidade eterna, lembramos que nossos problemas logo passarão. A nossa perseverança deve estar em enxergar além do físico, mas no espiritual. O texto de Hebreus nos ensina que “a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos” (Hb 11.1). O autor de Hebreus ainda diz a respeito de Moisés: “Permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível. ” (Hb 11.27).

Precisamos olhar para além daquilo que é visível e temporário, que perece, para focar no que é invisível e eterno. É por isso que tanto Moisés quanto Paulo permaneceram, pois se focaram a continuar cumprindo seu propósito, que era glorificar a Deus com suas vidas aqui na terra.

O que faz um atleta atingir a sua meta? É a perspectiva. Para isso durante a corrida, o atleta olha para as barreiras com atenção para calcular o salto, e seu pensamento está totalmente concentrado em romper a faixa e ganhar o prêmio. Ele não se distrai com o adversário nem com a multidão (Fp 3.14). Não perca o foco.

CONCLUSÃO

A vida que temos aqui é um presente de grande valor dado por Deus. Viver o melhor da vida é viver com o foco nas coisas eternas. Pensar no céu ajuda a vencer a luta na terra porque é para lá que corremos. Saber viver é viver a eternidade desde agora, é viver o “Paraíso aqui”. A vida terrena é um pré-vestibular da faculdade eterna no Reino do Céu. Viver com sabedoria é viver para a glória de Deus (2 Co 4.15).

“Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nele, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do Espírito Santo.” Rm 15.13

E EU COM ISSO?

Pense consigo mesmo, você tem vivido com sabedoria?

Você tem feridas que precisam ser tratadas? Elas têm te impedido de viver as verdades que estudamos aqui? Ore para que Deus te renove, ele é que dá sentido e valor para a nossa vida. Procure também um líder para conversar e orar com você.

Viver o paraíso aqui é preciso viver com atitudes, não apenas no “papel”. Quais atitudes preciso colocar em prática para viver essa verdade?

Você costuma deixar as situações e sofrimentos terrenos abalarem a alegria da tua salvação?

Você tem fé o suficiente para viver por aquilo que não se vê? Se não, peça a Deus a Deus que aumente a sua fé (Lc 17.5).

PEQUENO ENCONTRO

PEQUENO
ENCONTRO

Semana 01 - O SENTIDO DA VIDA

QUEBRA-GELO

Duas verdades e uma mentira: Cada jovem deve pensar e falar 3 afirmações sobre sua vida, duas delas serão verdades e uma será mentira. O objetivo da brincadeira é que os outros descubram qual é a mentira e possam se conhecer melhor e dar boas risadas com as descobertas e as revelações que surgirão.

SUGESTÃO DE LOUVOR PARA O ENCONTRO:

VÍDEO

Assistir com a galera o vídeo: Como descobri meu propósito

https://www.youtube.com/watch?v=_7jOe29mQ7Y

REFLEXÃO

Propósito de vida

“Antes de formá-lo no ventre eu o escolhi; antes de você nascer, eu o separei e o designei profeta às nações.” (Jr 1.5)

Alguns anos atrás, o movimento “Vida com Propósitos”, iniciado pelo pastor Rick Warren, saiu das igrejas e alcançou a mídia e o meio corporativo, tornando-se um fenômeno mundial. Um de seus livros, Uma Vida com Propósitos, vendeu mais de 30 milhões de cópias no mundo e se tornou um dos mais traduzidos da história editorial.

Nesse livro, Warren destaca que Deus tem cinco propósitos para nossa vida e que o significado da vida surge quando os seguimos. São eles: (1) você foi planejado para agradar a Deus; (2) você foi criado para pertencer à família de Deus; (3) você foi criado para ser como Cristo; (4) você foi moldado para servir; e (5) você foi criado para desempenhar uma missão. Na visão do autor, o sentido geral da vida é glorificar a Deus!

Assim como para Jeremias, Deus traçou um destino para cada pessoa. O versículo que está em destaque, deixa isso bem claro. Ele tem um plano para cada um de nós. Você NÃO É um acidente, uma obra do acaso, um erro da natureza.

Séculos antes de Rick Warren aparecer no mapa, Deus revelou seu propósito para a vida de um jovem chamado Jeremias, que nasceu no ano 627 a.C. Jeremias foi o último profeta de Judá antes do exílio. Ele profetizou por cerca de 40 anos.

Jeremias provavelmente tinha entre 18 e 20 anos quando Deus lhe comunicou o propósito para sua vida. O jovem reclamou: “Ah, Senhor Deus, não me escolha. Não sou a pessoa certa. Sou apenas um adolescente. Não sei nem falar direito.” Ele sentiu um senso de incompetência devido à idade, afinal era alguém que supostamente deveria ficar em silêncio diante dos mais maduros.

No entanto, a desculpa não impressionou Deus, que respondeu: “Eu o conheço desde o momento em que você era apenas um traço na ultrassonografia.” Hehe.

A vida só faz sentido quando cumprimos com os propósitos que Deus tem pra nós.

Viva uma vida intencional!

PERGUNTAS PARA DIÁLOGO

  • O que te impede de viver o propósito de Deus para a sua vida?
  • O que podemos aprender com a vida de Jeremias?
  • Qual deve ser a atitude do cristão quando perdeu o sentido da vida?
  • Como posso ajudar alguém que perdeu a razão de viver?
  • O que você tem prazer em fazer? (Quando você faz nem vê a hora passar).
  • No que você é bom e as pessoas te elogiam? (Não significa que seja o melhor do mundo)
  • O que te incomoda quando você olha ao redor? O que você mudaria no mundo?
Semana 02 - ALTOS E BAIXOS

QUEBRA GELO

Faça diversas perguntas para o grupo. Oriente o grupo que se a resposta para a pergunta for “SIM” eles devem ficar em pé, e se a resposta for “NÃO” devem sentar (o ideal é sentar no chão, mas também pode ser na cadeira). A ideia é que eles sejam sinceros sobre a resposta, identificando como podemos ter “altos e baixos” em diferentes áreas da vida.

Sugestões de perguntas para a atividade:

  • Você tem lido a Bíblia como deveria?
  • Você tem orado o quanto de deveria?
  • Você fala de Jesus para alguém pelo menos duas vezes por semana?
  • Você tem se comprometido com a igreja como deveria?
  • Você tem se preocupado com seus estudos e área profissional como deveria?
  • Tem feito o seu melhor pra Deus?
  • Tem feito tudo o que está ao seu alcance para ganhar tua família pra Jesus?

SUGESTÃO DE LOUVOR PARA O ENCONTRO:

VÍDEO

Assistir com a galera o vídeo: A batalha de Spurgeon contra a depressão

REFLEXÃO

A maioria das pessoas que torcem por um time de futebol já devem percebido que a vida competitiva de um time de futebol é muito difícil. Há momentos de glórias, em que o time apresenta um bom futebol arte, faz belos gols, vence várias partidas, vence campeonatos, levantando as taças tão desejadas. Porém, parece que de uma hora pra outra a boa fase acaba, o time começa a perder jogos fáceis, jogar mal, demite treinadores, cai pra segunda divisão, e a crise está instalada. Esse é um bom exemplo para a expressão: altos e baixos.

Charles Spurgeon ficou conhecido por ser um grande pregador, tanto que ficou conhecido como “príncipe dos pregadores”. Foi um dos maiores evangelistas do século 19, e mesmo após 100 anos de sua morte suas pregações seu exemplo de fé e prática do evangelho continua inspirando pessoas. Mas mesmo ele, sendo esse incrível homem de Deus, confessou que passou por uma profunda depressão.

Os altos e baixos fazem parte da nossa vida. As oscilações para cima e para baixo, no gráfico de um aparelho que mede a frequência cardíaca de um paciente, diz a grosso modo que ele ainda vive. O que diferencia essas circunstâncias em nossa vida, é como vamos agir quando estamos no “baixo”.

O apóstolo Paulo nos conta o que o fortalecia quando ele estava passando pelos momentos difíceis: “Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.” 2 Co 12.9-10

PERGUNTAS PARA DIÁLOGO

  • O cristão pode passar por depressão? Porque?
  • O que o texto de 2 Co 12.10-12 nos ensina sobre os conflitos da vida?
  • Qual deve ser a atitude do cristão quando está nos “baixos” da vida?
  • E qual a atitude que devemos ter quando estamos nos “altos” da vida?
  • Como posso ajudar um amigo que está passando pelos “baixos” da vida?