A revolução do amor! e eu com isso?

8 de julho de 2019

Muito provavelmente você já parou e pensou alguma vez, para que eu existo? Na Bíblia encontramos a resposta, existimos para a Glória de Deus (Isaías 43.7; Efésios 1.12-14). Mas essa resposta traz em si outra pergunta: como eu posso viver para a glória de Deus?

Deus nos dá essa resposta sendo ele mesmo o exemplo do que devemos fazer. Vamos recapitular. Deus criou o ser humano para a sua glória, mas o ser humano caiu no pecado, o que Deus faz? Traz a solução, logo após a queda já profetiza sobre aquele que viria pisar na cabeça da serpente, Jesus (Gn 3.15), nisso vemos o amor e o plano perfeito de Deus, ele não nos deixa desamparados, mas mostra uma luz à humanidade “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16). Deus deu o seu exemplo, e por isso podemos agora entender como viver a missão dEle. 1 João 3.16 nos diz:

“Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos.”

Você já conheceu alguém que se converteu verdadeiramente a Jesus? Ela não consegue continuar a mesma, há uma revolução na sua vida, e essa é a revolução mais importante.

A base da nossa missão é o amor de Cristo, ele é o nosso exemplo maior, através desse amor que recebemos é que vamos alcançar as outras pessoas. No versículo 18 de 1 João 3 vemos que não devemos amar somente de palavra e de boca, mas em ação e em verdade, somente assim podemos ter a certeza de que somos salvos verdadeiramente, Ghandi falou certa vez sobre os cristãos: “Eu não rejeito o seu Cristo, eu o amo. Apenas creio que muitos de vocês cristãos são bem diferentes do vosso Cristo”. As boas obras que praticamos servem para comprovar que o amor de Deus vive em nós.

Wiersbie diz que Amar “de palavra” significa, simplesmente, falar sobre uma necessidade, mas amar “de fato” significa fazer algo para suprir essa necessidade. É possível pensar que, por conversar sobre uma necessidade ou mesmo orar sobre ela, nossa parte já foi feita, mas o Amor envolve mais do que palavra se pede atos de sacrifício. Amar “de língua” é o oposto de “amar de verdade”, significa amar sem sinceridade. Amar “de verdade” é amar uma pessoa de forma autêntica, não só da boca para fora. As pessoas são atraídas pelo amor genuíno e repelidas pelo amor artificial. Os pecadores eram atraídos para junto de Jesus porque tinham certeza de que ele os amava com sinceridade.[1]

Então como eu posso viver para a Glória de Deus? Expressando através dos meus atos o que Cristo fez em meu interior. Se eu era desobediente aos meus pais, vou mudar minha atitude e ser mais respeitoso, se eu brigava na escola, não brigarei mais, se eu ficava com todas as menininhas (ou todos os menininhos), vou esperar em Deus, se eu era mesquinho e não ajudava ninguém, vou começar a me importar com o outro e ajuda-lo com o que tenho. Com as nossas atitudes mostramos a quem pertencemos.

Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros”. João 13:35

[1] WIERSBIE, Warren W. Comentário expositivo do Novo Testamento volume 2, p.657

Por Felipe Leimann Balaniuk

Felipe Leiman Balaniuk

SOBRE O AUTOR

Felipe Leiman Balaniuk
Estudou Teologia na FBP, casado com a Adri pai do João Pedro e do Miguel, Pastor de juventude da PIB São Miguel do Oeste e segundo vice presidente da JUMAP.

POSTE UM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *